JULGO E COMENTO O APBT PELO PADRÃO 01/08/2014

JULGO E COMENTO O APBT PELO PADRÃO

Quando me apaixonei pela raça, tinha apenas 14 anos de idade, e tudo que tinha aparência de “PIT” para mim tornava-se maravilhoso. Tive sorte de conhecer grandes criadores na época, estava no meio de grandes combatentes e ao mesmo tempo no meio de belos animais de conformação. Minha identidade iria se formar depois de 4 anos, larguei as rinhas e comecei a criar em cima do meu olhar critico que começará a se formar.

No amplo universo do APBT, podemos enveredar por diversos caminhos, tudo vai depender da perguntar que lhe norteia, aquela que não quer calar. A minha era: Como podemos ver um belo exemplar da raça? Nessa época, onde a internet era escassa, junto com amigos, não mediamos esforços de rodar 7 mil quilômetros para ver “animais belos”. Essa pergunta nunca me saiu da cabeça.

No início só queria saber do indivíduo, do cão, não importava os outros detalhes, mas comecei a perceber que o belo, sempre tinha detalhes que lhe cercavam, e vou citar alguns. Conheci um grande combatente, o Amuke, um cão preto, belíssimo, um animal de seus 28kg, muito forte e bem conformado, tinha uma cabeça belíssima, e invencível na sua função, se mostrava de uma habilidade incomparável dentro do quadrado. Todos faziam questão de dizer que tinham filhos dele. Mas esse animal era recheado de detalhes, como: importado do Tom Garner (1995), pedigree importado, procedência garantida, um trabalho sério por trás do belo animal. Cheguei a conhecer também o Sheik Chacal, um animal comprado em São Paulo (1996), chocolate escuro, muito forte, cerca de 35kg de muito musculo, uma beleza inconfundível, com um temperamento para praticar esporte difícil de encontrar, quando observei os detalhes por trás do cão, ele era filho de um casal importado do país de origem, os EUA, e tinha um pedigree importado, de uma criação séria em torno da raça, com história. Fui percebendo que todos tinham um animal com o nome de PIT, inclusive eu na época, mas o diferente, o belo, era recheado de detalhes!

Comecei a me aprofundar nos detalhes de cada indivíduo, e descobri que são três: o Cão, o Criador e o Certificado, são os 3 C’s do APBT. Descobri isso logo cedo, mesmo sem ter recursos necessários para buscar esses 3 C’s na minha criação, fiquei como um obstinado, esperando o dia disso acontecer. Estudando as linhas de sangue, e não eram poucas, mesmo gostando de uma, tentava estudar todas, mas sempre a minha mente me reportava para o belo ser de uma determinada família. Nos Castillo’s comecei a me aprofundar, estudar, e a cadela que eu admirava e os filhos que ela tinha gerado, apresentavam defeitos, limitações, e tudo isso observado pelo PADRÃO, comecei a estudar muito o padrão, comecei a me tornar técnico, mesmo dentro da família que admirava, quero produzir o “belo animal” e para isso, precisava ser técnico, e não tinha outra forma se não: avaliar o APBT pelo padrão da raça, o mais antigo, o UKC (United Kennel Club).

Entendi que para ser criador e ajudar a raça que amava, precisava aperfeiçoar alguns detalhes e preservar outros, para que um dia o “belo animal” ainda exista para outras gerações se impressionarem, assim como eu um dia tornei-me obcecado pela diversidade dessa raça.

Ao me debruçar sobre o padrão do APBT, descobri três coisas. Posso dividir o padrão em três partes, que são: AJUSTÁVEIS, DETERMINANTES e os DESQUALIFICANTES. Gostaria de compartilhar essa tabela com todos vocês, pois me ajudou muito em todas as minhas viagens em busca do belo animal, tive o prazer de julgar especializadas em vários estados do nosso Brasil, fui a muitas exposições, observei outros colegas julgarem, rodei muitos km em buscar de ver belos animais, Portugal, Espanha e EUA foram os lugares que consegui sair em busca de belos animais, e posso afirmar: como os Estados Unidos, não tem igual, em todos os lugares da Califórnia você acha um APBT, nos carros, nas ruas, nos petshop´s, realmente é o país da raça.

Queria de alguma forma, te ajudar a ter parâmetros técnicos para descobri o SEU belo animal, dentro da raça, pois o padrão nos faz delimitar nossa imaginação e nos deixa seguro que se o nosso belo animal se enquadrar dentro deste padrão, estamos no caminho certo, pois se você for como eu, que ama os cães, e todo animal é belo, tem sua beleza, você precisa URGENTEMENTE estudar o padrão da raça, para achar o BELO APBT.

Aqui segue a tabela:

AJUSTÁVEIS

 

  1. Orelhas: Cortadas ou Naturais
  2. Orelhas tamanhos pequena e média.
  3. Cauda mais ou menos curta.
  4. Todas as cores de pelagem.
  5. Qualquer cor ou distribuição de cores, bem como qualquer combinação de cores são aceitas.
  6. Eventos de performance se sai muito bem. Vontade de trabalhar.
  7. Falta de dente (isso não se aplica a um dente perdido ou removido por um veterinário).
  8. Trufa de qualquer cor.
  9. Olhos de todas as cores.
  10. Orelhas se forem deixadas ao natural, semi-eretas ou em rosa são preferíveis.
  11. Nas patas os ergôs podem ser removidos.
  12. O seu PESO e sua ALTURA são menos importantes do que a correta proporção entre altura e peso.
  13. Cães acima dos pesos mencionados não devem ser penalizados a não ser que sejam desproporcionalmente pesados ou pernaltas.

 DETERMINANTES

  1. Porte Médio.
  2. Construção Sólida.
  3. Pelagem Curta.
  4. Musculatura bem definida.
  5. Poderosa e Atleta.
  6. Mais longo que alto.
  7. Pernas dianteiras é o mesmo cumprimento da metade da altura do cão, medido da cernelha a ponta do cotovelo.
  8. Cabeça de cumprimento médio.
  9. Cabeça de tamanho Grande e larga, proporcional ao corpo.
  10. O crânio e o focinho são paralelos entre si, unidos por um stop bem definido e moderadamente fundo.
  11. Os arcos supraorbitais sobre os olhos são bem definidos.
  12. Crânio Chato, largo, plano ou levemente arredondado, profundo e largo entre as orelhas.
  13. Os músculos das bochechas são proeminentes, sem presença de rugas.
  14. Quando o cão está se concentrando, formam-se rugas na sua testa.
  15. Focinho largo e profundo, com um afilamento muito suave indo do stop para a trufa, e com uma ligeira separação debaixo dos olhos.
  16. O focinho é mais curto do que o comprimento do crânio, com uma proporção de aproximadamente 2 para 3.
  17. A linha superior do focinho é reta.
  18. A mandíbula é bem desenvolvida, larga e profunda.
  19. Os lábios são secos e bem ajustados.
  20. Dentes completos (42 ou 44 dentes), bem nivelados e brancos.
  21. Mordedura em Tesoura.
  22. Trufa grande, com narinas largas e bem abertas, podendo ser de qualquer cor.
  23. Orelhas inseridas alta.
  24. Olhos de tamanho médio, redondos ou amendoados, inseridos bem afastados entre si, profundos no crânio.
  25. Cauda inserida baixa, grossa da base e afilando até a ponta.
  26. Resistência e Atletismo.
  27. Graça e Agilidade.
  28. Respirar Fácil, na caça tem que capturar, controlar e derrubar a presa.
  29. Pescoço de comprimento moderado e musculoso.
  30. Pescoço apresenta uma ligeira curvatura ou arco na crista.
  31. O pescoço vai alargando gradualmente conforme vai descendo do crânio até o ponto em que se junta com os ombros bem angulados.
  32. A pele no pescoço é bem ajustada.
  33. Equilíbrio e harmonia em todas as partes do corpo.
  34. Autoconfiança.
  35. Amor com crianças.
  36. Escápulas são longas, largas, musculosas e bem inclinadas.
  37. Úmero é quase igual ao comprimento da escápula, com a qual se une em um aparente ângulo reto.
  38. As pernas dianteiras são fortes e musculosas.
  39. Os cotovelos ajustam-se bem ao corpo.
  40. Vistas de frente, as pernas dianteiras colocam-se moderadamente afastadas e perpendiculares ao solo.
  41. Os metacarpos são curtos, poderosos, retos e flexíveis.
  42. Quando vistos de perfil, os metacarpos parecem quase na vertical.
  43. O PEITO é profundo, cheio e moderadamente largo, com bastante espaço para acomodar o coração e os pulmões.
  44. As costelas se estendem bem para trás e, partindo da espinha dorsal, apresentam um bom arqueamento, afilando, até formarem um corpo fundo, estendendo-se até os cotovelos.
  45. O dorso é forte e firme. A linha superior é levemente descendente da cernelha até a garupa, larga, musculosa e nivelada.
  46. O lombo é curto, musculoso, arqueando LEVEMENTE em direção ao topo da garupa, porém, é mais estreito do que a caixa torácica e apresenta um MODERADO esgalgamento.
  47. A garupa é ligeiramente inclinada para baixo.
  48. Posteriores são fortes, musculosos e moderadamente largos.
  49. Nas laterais da cauda, a coxa é bem cheia e profunda a partir da pélvis até o escroto.
  50. A angulação dos ossos e a musculatura dos posteriores devem estar em harmonia com os anteriores.
  51. As coxas são bem desenvolvidas, com músculos espessos e bem definidos.
  52. Vistos de perfil, os jarretes são bem angulados e os membros posteriores devem apresentar boa angulação e devem ser perpendiculares ao solo.
  53. Vistos por trás, os jarretes são retos e paralelos entre si.
  54. Patas redondas, devem estar em proporção com o tamanho do cão, e devem ser bem arqueadas e ajustadas.
  55. As almofadas são duras, resistentes e bem acolchoadas.
  56. A CAUDA está inserida numa extensão natural da linha superior e vai se afilando para a ponta.
  57. Quando o cão está relaxado, a cauda é portada baixa e chega quase à ponta do jarrete.
  58. Quando o cão se movimenta, a cauda fica portada em nível com a linha superior.
  59. Quando o cão está excitado, pode portar a cauda levantada em posição ereta (denominada “cauda de desafio”).
  60. PELAGEM brilhante e lisa, deitada no corpo e moderadamente áspera ao toque.
  61. O peso desejável de um macho adulto em boas condições oscila entre 35 e 60 pounds (15,87 kg e 27,21 kg). O peso desejável para a fêmea madura, em boas condições, oscila entre 30 e 50 pounds (13,60 kg e 22,67 kg).
  62. Movimenta-se com uma atitude confiante e vivaz, oferecendo a impressão de que espera a qualquer minuto ver algo novo e excitante.
  63. Quando trota, sua movimentação não demonstra esforço, é suave, poderosa e bem coordenada, mostrando bom alcance dos anteriores e boa propulsão dos posteriores.
  64. Em movimentação, o dorso permanece nivelado, apresentando apenas uma leve flexão que indica elasticidade.
  65. Vistas de qualquer lado, as pernas não se viram nem para dentro nem para fora e as patas não se cruzam nem interferem entre si.
  66. Conforme aumenta a velocidade, as patas tendem a convergir em direção à linha central de balanço.

DESQUALIFICANTES

  1. Cor da pelagem: Merle.
  2. Albinismo.
  3. Orelhas grandes e inseridas baixa.
  4. Aparência desajeitada.
  5. Musculatura saliente.
  6. Ossos finos.
  7. Pernalta.
  8. Qualquer característica desproporcional exagerada.
  9. Pernas curtas.
  10. Osso excessivo.
  11. Cabeça ou Corpo volumoso que interfira sua habilidade no trabalho.
  12. Comportamento agressivo com seres humanos.
  13. Focinho pontudo.
  14. Comissuras labiais pendentes.
  15. Mandíbula fraca.
  16. Cabeça excessivamente larga ou pesada.
  17. Focinho curto.
  18. Mordedura incompleta (falta de dente), torquês, prognatismo, enognatismo ou torção.
  19. Não serve para guarda.
  20. Os arcos supraorbitais sobre os olhos são bem definidos, mas não pronunciados.
  21. Cabeça excessivamente larga ou pesada.
  22. focinho pontudo.
  23. Comissuras labiais pendentes.
  24. Mandíbula fraca.
  25. Olhos Azuis.
  26. Olhos de cores diferentes.
  27. Olhos esbugalhados.
  28. Nos olhos, a terceira pálpebra não deve ser aparente.
  29. Orelhas pontiagudas, achatadas (deitadas) no crânio ou largas não são desejáveis.
  30. Pescoço muito fino ou fraco.
  31. “Pescoço de ovelha”
  32. Pescoço com barbelas, pele solta.
  33. Pescoço curto e grosso, que possa interferir em sua habilidade funcional.
  34. Ombros retos ou sobrecarregados.
  35. Cotovelos virados para fora ou para dentro.
  36. Metacarpos cedidos.
  37. Pernas dianteiras arqueadas.
  38. Metacarpos virados para fora.
  39. Pisada virada para dentro ou para fora.
  40. Pernas mais curtas que a metade da altura na cernelha.
  41. O peito jamais deve ser mais largo do que profundo.
  42. O antepeito não se estende muito além da ponta do ombro.
  43. Conformação corpórea excessivamente maciça, que atrapalhe na sua habilidade funcional.
  44. Posteriores estreitos.
  45. Posteriores pouco profundos da pelve à região inguinal.
  46. Falta de musculatura.
  47. Articulação do joelho reta ou excessivamente angulada.
  48. Jarretes de vaca.
  49. Jarretes em foice.
  50. Pernas arqueadas.
  51. Patas espalmadas.
  52. A Cauda jamais portada curvada sobre o dorso (denominada “cauda alegre”).
  53. Cauda longa (a ponta da cauda ultrapassando a ponta do jarrete).
  54. Cauda alegre (não deve ser confundida com a cauda de desafio).
  55. Cauda apresentando dobra ou quebrada.
  56. Cauda Cortada.
  57. Ausência de cauda
  58. Pelagem crespa, ondulada ou rala.
  59. Pelo longo.
  60. Desproporcionalmente pesados ou pernaltas.
  61. Cães excessivamente grandes ou pesados.
  62. Pernas que não se movem no mesmo plano.
  63. Pernas com superalcance.
  64. Cruzar as pernas anteriores ou posteriores.
  65. Pernas se movendo muito juntas ou se tocando.
  66. Movimentação bamboleante.
  67. Passo de camelo.
  68. Passo com flexão excessiva da munheca.
  69. Andar em lateral.
  70. Ação em hackney.
  71. Movimentação com dificuldade.
  72. Criptorquidismo
  73. Monorquidismo.
  74. Agressividade .
  75. Timidez excessiva.
  76. Surdez unilateral ou bilateral.
*Fonte: UKC (United Kennel Club), padrão da raça American Pit Bull Terrier 

NOTA: apesar de algum nível de agressividade ser característico da raça, o UKC (United Kennel Club) espera que os apresentadores cumpram a política da entidade, que visa o controle do temperamento dos cães em seus eventos.

 

NOTAS:

os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.

todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

 

O fato de você achar um belo cão não significa que esse animal é um belo American Pit Bull Terrier. Espero que esse quadro possa te ajudar na busca interminável pelo “belo apbt”. Caso tenha alguma dúvida sobre termos técnicos, temos duas fontes de estudos bem interessante para você.

Fonte de estudos:

Espero ter fomentado em você o desejo de aprender mais sobre nossa raça. Ela precisa de pessoas comprometidas e dedicadas com a preservação e manutenção de sua imagem no mundo cinófilo.  Estou envolvido desde 1994 com a raça, e espero passar isso para meus filhos e netos.

img31 img311

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

img3111

img31111

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marcello Viktor Cavalcanti Morais
CGD KENNEL