CONHEÇA A RAÇA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA
Padrão Oficial da Raça

CH PR COMER'S CEASARS OSCAR TT-11 OFA STA-71

AMERICAN PIT BULL TERRIER

Padrão Oficial da Raça UKC
Revisado 1 de dezembro de 2012
@ Copyright 2013, o United Kennel Club, Inc.

Os objetivos e propósitos deste padrão da raça incluem: fornece diretrizes para os criadores que desejam manter a qualidade da raça e para melhorá-la, para fazer avançar esta raça a um estado de semelhança em todo o mundo, e para atuar como um guia para os juízes.

Criadores e juízes têm a responsabilidade de evitar quaisquer condições ou exageros que sejam prejudiciais para a saúde, bem-estar, a essência e a solidez desta raça, e deve assumir a responsabilidade de ver para que estes não se perpetuem.

O American Pit Bull Terrier tem uma longa história de sendo uma raça fisicamente ativa, muscular, muito ágil, e mantem as características da raça por mais de 150 anos. Qualquer desvio a partir do aqui descrito deve ser considerado como falta, e a seriedade com que a falha deve ser considerada deve ser na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos sobre a saúde e o bem-estar do cão e sobre a capacidade do cão para executar seu trabalho tradicional.

Qualidade nunca é para ser sacrificado em prol do tamanho. Características que indicam muito claramente o cruzamento com outras raças não serão toleradas.

A UKC não está disposta a tolerar a validade do uso exagerado de exemplares desta raça em um programa de melhoramento genético e, para preservar a sua saúde e vitalidade, adverte juízes sobre concessão de vitórias para esses representantes.

AMERICAN PIT BULL TERRIER
HISTÓRIA: Às vezes, durante o século XIX, criadores de cães na Inglaterra, Irlanda e Escócia começaram a experimentar com cruzamentos entre Bulldogs e Terriers, à procura de um cão que combinava o gameness do terrier com a força e capacidade atlética do Bulldog. O resultado foi um cão que encarna todas as virtudes atribuídas a grandes guerreiros: resistência, coragem indomável e gentileza com os entes queridos. Os imigrantes trouxeram essa raça bull- and- terrier para os Estados Unidos. Muitos dos talentos do American Pit Bull Terrier não passaram despercebidos pelos agricultores e pecuaristas que usaram seus APBTs para captura de gado semi- selvagens e porcos, para caçar, para conduzir gado, e como animal de estimação da familia. Hoje, o American Pit Bull Terrier continua demonstrando sua versatilidade, competindo com sucesso em Obediência, rally-o, Tracking, Agilidade, Lure racing, Dock Jumping e Weight Pulls, bem como Conformação.
O United Kennel Club foi o primeiro Cartório a reconhecer o American Pit Bull Terrier. O fundador da UKC C. Z. Bennett atribuiu o registro número 1 da UKC ao seu próprio APBT, Bennett’s Ring, em1898.

APARÊNCIA GERAL:

O American Pit Bull Terrier é um cão de porte médio, de constituição sólida, pelagem curta, com uma musculatura bem definida. Esta raça é poderosa e atlética. O corpo é levemente mais longo que alto, sendo que as fêmeas podem ser um pouco mais longas que os machos. O comprimento das pernas dianteiras (medido a partir da ponta do cotovelo até o chão) é aproximadamente igual à metade da altura do cão a partir da cernelha.

A cabeça é de comprimento médio, com o crânio chato e o focinho largo e profundo. As orelhas são de tamanho pequeno para médio, inseridas altas e podem ser naturais ou cortadas. A cauda relativamente curta é inserida baixa, grossa na base e afilando-se em direção da ponta.

O American Pit Bull Terrier se apresenta em todas as cores e marcações, exceto merle. A raça combina resistência e capacidade atlética com graça e agilidade e nunca deve ter aparência volumosa ou musculoso, ossos finos ou pernalta.

Acima de tudo, o APBT deve ter a capacidade funcional para ser um cão de captura que pode prender, lutar (puxar peso), e respirar com facilidade ao fazer o seu trabalho. Equilíbrio e harmonia são peças críticas para essa raça.

FALTAS ELIMINATÓRIAS: Qualquer característica exageradamente desproporcional (como pernas curtas, ossos excessivos ou cabeça e corpo maciço) que possam interferir com a atividade física ou capacidade de trabalho.

Desclassificantes: Criptorquia unilateral ou bilateral, Nanismo. (testículos)

CARACTERÍSTICAS: As características essenciais do APBT são a força, confiança e a alegria de viver. A raça gosta de agradar e é cheia de entusiasmo. O APBT é um excelente cão de companhia e sempre foram conhecidos pelo seu amor por crianças. Pelo fato que a maioria dos APBTs apresentarem certo nível de agressividade contra outros cães, bem como pelo fato de seu físico ser poderoso, a raça necessita de proprietários que os sociabilizem cuidadosamente e que treinem obediência com seus cães. A agilidade natural da raça torna-a num dos mais capazes escaladores caninos, portanto uma boa cerca é necessária para a raça. O APBT não é a melhor escolha para os que procuram cães de guarda por ser extremamente amigável mesmo com desconhecidos. Comportamento agressivo para com o ser humano não é característico da raça, portanto isto é extremamente indesejável. A raça se sai muito bem em eventos performáticos por seu alto grau de inteligência e sua vontade de trabalhar.

Incompatibilidades: Agressividade ou extrema timidez.

CABEÇA: A cabeça do APBT é singular e é um elemento chave quanto da raça. A cabeça é grande e larga, dando uma impressão de grande poder, mas não deve ser desproporcional ao tamanho do corpo. Vista de frente, a cabeça tem o formato de uma cunha rústica, larga. Quando vista de lado, o crânio e o focinho são paralelos entre si, unidos por um stop bem definido e moderadamente fundo. Os arcos supra-orbitais sobre os olhos são bem definidos, mas não pronunciados. A cabeça é bem cinzelada, unindo resistência, elegância e característica.

Falhas muito graves: Cabeça muito grande ou pesada.

CRÂNIO: O crânio é largo, plano ou levemente arredondado, profundo e largo entre as orelhas. Visto de cima, o crânio vai afilando levemente em direção ao stop. Existe um sulco mediano profundo que vai diminuindo de profundidade do stop ao occipital. Os músculos das bochechas são proeminentes sem presença de rugas. Quando o cão está se concentrando formam-se rugas na sua testa, o que oferece ao APBT sua expressão singular.

FOCINHO: O focinho é largo, profundo com um afilamento muito suave indo do stop para o nariz com uma ligeira separação debaixo dos olhos. O comprimento focinho é mais curto do que o comprimento do crânio, com uma proporção de aproximadamente 2/3. A linha superior do focinho é reta. A mandíbula inferior é bem desenvolvida, larga e profunda. Os lábios são secos e bem ajustados.

Faltas: focinho fino, comissuras labiais pendentes, fraco maxilar inferior.

DENTES: O APBT tem a dentição completa com dentes bem nivelados e brancos, encontrando-se numa mordedura em tesoura.

Falta: mordedura em torquês.

Faltas sérias: mordedura com prognatismo inferior ou superior, mandíbula torcida, falta de dente (isto não se aplica a um dente perdido ou removido por um veterinário).

TRUFA: O nariz é grande, com narinas largas e bem abertas. O nariz pode ser de qualquer cor.

OLHOS: Os olhos são de tamanho médio, redondos bem afastados entre si, profundos no crânio. Todas as cores são igualmente aceitáveis, exceto o azul. Olhos azuis são falta séria. A terceira pálpebra não deve ser aparente.

Falta séria: Olhos esbugalhados, olhos de cores diferentes, olhos azuis.

ORELHAS: As orelhas são inseridas altas e podem ser naturais ou cortadas, sem preferência. Orelhas eretas, achatadas (deitadas) ou largas não são desejáveis.

Desqualificam: surdez unilateral ou bilateral.

PESCOÇO: O pescoço é de comprimento moderado e musculoso. Apresenta um ligeiro arco na crista. O pescoço vai alargando gradualmente conforme vai descendo da base do crânio até o ponto em que se junta com os ombros bem relaxados. A pele no pescoço é bem ajustada, sem barbelas.

Faltas: pescoço muito fino ou fraco, pescoço ovelha, barbelas.

Faltas muito graves: pescoço curto ou grosso que possam interferir com a capacidade funcional.

ANTERIORES: As escápulas são longas, largas, musculosas e bem inclinadas. O úmero é quase igual ao comprimento da escápula juntando se a ele em um aparente angulo reto.

As pernas dianteiras são fortes e musculosas. Os cotovelos estão situados perto do corpo. Vistos de frente, as pernas dianteiras colocam-se moderadamente afastadas e perpendiculares ao solo. Os metacarpos são curtos, poderosos, retos, flexíveis. Quando vistos em perfil, os metacarpos parecem quase eretos.

Faltas: Ombros retos ou inchados, cotovelos virados para fora ou para dentro. Metacarpos cedidos, pernas dianteiras arqueadas. Pulso virados para fora, virando para dentro ou para fora.

Faltas Eliminatórias: pernas dianteiras (medidas do cotovelo ao chão), menor do que a metade da altura total da cernelha. Patas dianteiras se curvando ao ponto de interferir com o movimento natural.

CORPO: O peito é profundo, cheio e moderadamente largo com bastante espaço para acomodar o coração e os pulmões, porém o peito jamais deve ser mais largo do que fundo. O esterno não se estende muito além da ponta do ombro. As costelas se estendem bem para trás e partindo da espinha dorsal apresentam um bom arqueamento, afinando, formando um corpo fundo estendendo-se até os cotovelos. O dorso é forte e firme. A linha superior é levemente descendente da cernelha até a garupa larga, musculosa e nivelada. O lombo é curto, musculoso, ligeiramente arqueado em direção do topo da garupa, porém é mais estreito do que a caixa torácica e apresenta um moderado recolhimento do estômago (tuck-up). A garupa é ligeiramente inclinada para baixo.

Falhas muito graves: Corpo excessivamente grande, impedindo a capacidade de trabalho.

Falhas desclassificatórias: Peito tão grande a ponto de interferir na movimentação natural.

POSTERIORES: Os posteriores são fortes, musculosos e moderadamente largos. A traseira é bem cheia e profunda a partir do Pélvis até o escroto. A angulação dos ossos e a musculatura dos posteriores devem estar em harmonia com os anteriores. As coxas bem desenvolvidas com músculos espessos e bem definidos. Visto de lado, os jarretes são bem angulados e os metacarpos posteriores devem apresentar boa angulação e devem ser perpendiculares ao solo. Visto por trás, os metacarpos posteriores são retos e paralelos entre si.

Faltas: Posteriores estreitos, traseira rasa da Pélvis a virilha, falta de músculos, retos ou excessivamente angulados, jarretes de vaca, jarretes de foice, pernas arqueadas.

PATAS: Os pés são redondos, proporcionais ao tamanho do cão, bem arqueados e ajustados. As almofadas são duras, resistentes e bem almofadadas. Os ergôs podem ser removidos.

Falta: pés espalmados

CAUDA: A cauda está inserida numa extensão natural da linha superior e vai se afilando para a ponta. Quando o cão está relaxado, a cauda é portada baixa e chega quase à ponta do jarrete. Quando o cão em movimento, a cauda é portada ao nível do dorso. Quando o cão está excitado pode portar a cauda levantada em posição ereta (cauda de desafio), mas nunca sobre o dorso (cauda gay).

Falta: Cauda longa (pontas da cauda ultrapassando a ponta do jarrete).

Falta séria: Cauda gay (não deve ser confundida com a cauda de desafio). Cauda retorcida.

Desqualificação: Cauda cortada.

PELAGEM: A pelagem é brilhante e lisa, deitada no corpo e moderadamente dura ao toque.

Faltas: Pelagem crespa, ondulada ou rala.

Desqualificação: Pelagem longa.

Cor: Qualquer cor ou distribuição de cores, bem como qualquer combinação de cores são aceitas.

Desqualificação: Albinismo, merle.

ALTURA / PESO: O APBT deve ser tanto poderoso como ágil, equilibrado globalmente e com a correta proporção entre peso e altura, por isso, é mais importante do que o peso real do cão e/ou altura.

O peso desejável de um macho adulto em boas condições oscila entre 35 e 60 pounds ( 15,87 e 27,21 kg). O peso desejável para a fêmea madura em boas condições oscila entre 30 e 50 pounds (13,60 e 22,67 kg).

Apenas como uma orientação geral e aproximada, o intervalo da altura desejável para machos maduros é de 18 a 21 polegadas na cernelha, e para fêmeas adultas é de 17 a 20 pol na cernelha.

“Apenas como orientação geral e aproximada, o intervalo de altura desejável para os machos maduros é de 18 a 21 polegadas (45,72 a 53,34 centímetros) na cernelha, para fêmeas adultas é de 17 a 20 polegadas (43,18 a 50,8 centímetros) na cernelha.”

É importante notar que os cães acima ou abaixo destes limites de peso e altura não devem ser penalizados a não ser que sejam desproporcionalmente grande ou esguio

Faltas muito graves: excessivamente grande ou com a relação peso/altura muito distantes do desejado e como comprometedor da saúde, estrutura, movimentação e capacidade física.

MOVIMENTAÇÃO: O APBT movimenta-se com uma atitude confiante e vivaz, oferecendo a impressão que espera a qualquer minuto ver algo novo e excitante. Quando trota, sua movimentação não demonstra esforço, é fácil, suave, poderosa e bem coordenada, mostrando bom alcance dos dianteiros e boa propulsão dos posteriores.Quando em movimentação, o dorso permanece nivelado, apresentando apenas uma leve flexão que indica elasticidade. Visto de qualquer lado, as pernas não se viram nem para dentro nem para fora, e os pés não se cruzam nem interferem entre si. Conforme aumenta a velocidade os pés tendem a convergir em direção do centro da linha de centro de equilíbrio.

Faltas: Pernas que não se movem no mesmo plano, pernas mais abrangentes; cruzar as pernas dianteiras ou posteriores, pernas se movendo muito juntas ou se tocando, movimentação bamboleante, passo saltitante, andar em lateral, ação em hackney, movimentar-se com dificuldade.

Faltas eliminatórias:

(Uma falha eliminatória é uma falta grave o suficiente para que eliminar o cão da obtenção de quaisquer prêmios em um evento de conformação).

Qualquer característica exagerada desproporcional (como perna curtas, ossatura excessiva ou corpo e cabeça muito maciços) que possam interferir com a movimentação natural.

As pernas dianteiras (medidas do cotovelo ao chão) mais curtas do que a metade da altura total da cernelha.

Peito tão grande a ponto de interferir com a movimentação natural.

Cauda cortada.

Desqualificações: (Um cão com uma desqualificação não deve ser considerado para a colocação em um evento de conformação, e deve ser comunicado a UKC)

Criptorquia unilateral ou bilateral. Agressividade ou extrema timidez. Albinismo. Merle. Surdez unilateral ou bilateral. Pelagem comprida. Nanismo. Cauda cortada.

Nota: Apesar de algum nível de agressividade ser característico da raça, a os manipuladores deverão cumprir com a política UKC sobre temperamento do cão em eventos UKC.

O corte de cauda e o corte de orelhas nos EUA é legal e continua a ser uma escolha pessoal. No entanto, como um registro internacional, a United Kennel Cluc está ciente de que as práticas de cortes foram proibidas em alguns paises.À luz destes acontecimentos, a UKC, sete que nenhum cão em qualquer caso, UKC, incluindo a conformação, devem ser penalizados por uma cauda cheia ou orelhas naturais.

Conheça mais sobre o padrão da raça, entre nesse link: http://cgdkennel.com.br/artigos/julgo-e-comento-o-apbt-pelo-padrao/

 

Padrão de Conformação ADBA

Devido ao uso impróprio do padrão de conformação do American Pit Bull Terrier da AMERICAN DOG BREEDERS ASSOCIATION INC. ADBA, sendo usado como um identificador de raça em decretos e propostas de lei, uma cláusula de uso do padrão da raça será agora uma parte do nosso padrão de conformação do American Pit Bull Terrier.

O Padrão de conformação APBT ADBA agora inclui um ideal de peso condicionado dos cães que deve ser entre 30lbs (13,600kg) e 75lbs (34,020kg).

I. Introdução

A. Para compreender verdadeiramente qualquer padrão de raça, deve-se conhecer a história por trás da existência dessa raça.

B. A finalidade de um juiz é a seleção imparcial da qualidade do plantel com o verdadeiro tipo da raça.

C. A responsabilidade de julgar, é pontuar os cães que estão em melhor conformidade com o padrão de conformação, deixando de lado preconceitos pessoais.

II. Aparência geral 20 pontos

A. Tipicidade da raça.

  1. Deve parecer como um American Pit Bull Terrier que entra no ringue.
  2. Resistente, tridimensional. Dando a impressão de força, não de leveza ou fragilidade.
  3. Parece quadrado, com ossos densos, frente sólida e com uma traseira leve e elástica.
  4. Deve parecer atlético, não volumoso. Musculatura deve ser suave, mas definido.
  5. A apresentação de um cão adulto deve ser de um animal leve, exercitado mostrando uma pitada de costela e espinha dorsal (sem quadris a mostra) com músculos firmes e definidos. Pelagem limpa, brilhante, com unhas curtas aparadas. A apresentação de cães na classe filhote deverá ser de filhotes bem nutridos, não mostrando nenhuma costela, coluna vertebral ou quadris. A pelagem deve ser brilhante, com unhas curtas e ajustadas.

B. Equilíbrio

  1. Angulação equilibrada do conjunto dianteiro e traseiro – julgada melhor no trote.
  2. Altura em relação ao peso – o cão mais alto em um determinado peso.
  3. Tamanho da cabeça em proporção ao corpo, com um pescoço longo o suficiente para ter a cabeça aparecendo acima do topo da traseira quando a cabeça estiver numa posição vertical normal.

C. Apresentação

  1. O cão deve estar socializado, mostrando interesse nas coisas ao seu redor.
  2. Embora algum grau de agressividade do cão seja característico da raça, comportamento indisciplinado vai prejudicar a capacidade dos juízes para avaliar com precisão a conformação individual de um cão.

D. Saúde

  1. A vitalidade, o brilho da pelagem, e a nitidez dos olhos dos cães, vão demonstrar a salubridade do animal individualmente.
  2. Cores ou padrões de cores que se sabe estarem geneticamente ligados a problemas de saúde serão considerados uma falta grave.

Faltas graves: padrão de cor merle, albinismo (cão branco com olhos azuis ou rosa, nariz cor de rosa, lábios, nenhum pigmento presente em almofadas, contorno dos olhos, etc).

III. Atitude 10 pontos

A. Confiante e alerta.

B. Interessado nas coisas ao seu redor, no controle do seu espaço, não se mostrando ameaçado por qualquer coisa ao seu redor.

C. Gentil com seus donos.

Faltas: assustados ou tímidos.

IV. Traseira 30 pontos

A. Lombo

  1. Amplo e longo o suficiente para enquadrar o cão. Muito curto pode interferir com a flexibilidade dos cães. Também um lombo muito longo faz com que o cão carregue peso excessivo afetando a agilidade e rapidez.

B. Garupa

  1. Longa e inclinada com largura adequada. Isto pode ser julgado pelo conjunto da cauda, o qual deve ser baixo.
  2. A inclinação ideal da garupa deve ser de 30 graus em relação ao solo.

C. Proporções da perna traseiras

  1. O fêmur deve ser de um comprimento que possibilite a articulação do joelho ficar no 1/3 superior do conjunto traseiro.
  2. A tíbia-fíbula é o maior osso do conjunto traseiro.
  3. O comprimento do metatarso é moderado, com músculos que se ligam igualmente de cada lado do osso de modo que os jarretes deslocam-se paralelamente um ao outro, não desviando para dentro ou para fora. Os ossos metatársicos, jarretes e parte inferior da tíbia devem ser leves, finos e flexíveis.
  4. Angulação traseira – razão entre o comprimento dos ossos e os músculos que se fixam sobre estes ossos, resultando em um joelho dobrado o que leva a um jarrete bem angulado. Isto contribui para a elasticidade natural que é desejada no conjunto traseiro.
  5. A fixação muscular é longa e profunda, além da articulação, o que faz com que os músculos pareçam lisos, mas definidos. (Não protuberantes).

Faltas: garupa curta ou plana, joelho reto, duplo articulado ou jarrete desviado, jarrete de vaca, músculos protuberantes.

V. Frente 20 pontos

A. Caixa Torácica

  1. Profunda e elíptica com um proeminente osso do peito ou esterno. Visto de lado, a parte inferior da caixa torácica deve estar pelo menos em nível com a articulação do cotovelo.
  2. Bem arqueadas no topo, afinando para a parte inferior, estendendo bem de volta para o lombo.

B. Ombros

  1. Mais larga que a caixa torácica na 8a costela. Escápula bem colocada para trás, fazendo um ângulo de 45 graus com o chão, larga e achatada, permitindo uma fixação muscular adequada para uma frente pesada e resistente.
  2. O úmero é inclinado em um ângulo oposto de 45 graus e é longo o suficiente para que o cotovelo venha para a parte inferior da caixa torácica, cotovelos encontrando- se horizontalmente contra o corpo.
  3. Os antebraços são ligeiramente mais longos e sólidos que o úmero, duas vezes a espessura do metatarso do jarrete.

C. Pés

  1. Pequenos e apertados, inseridos no alto dos metacarpos.
  2. Almofadas espessas e bem construídas.
  3. Esporões são naturais nos pés da frente, e não ocorrem naturalmente nos pés traseiros.

Faltas: peito em barril, tórax estreito, ossos finos, cotovelos para fora, metacarpos curtos, pés espalmados, almofadas finas, esporões em patas traseiras.

VI. Cabeça e Pescoço 15 pontos

A. Pescoço

  1. Musculoso à base do crânio
  2. Longo em comprimento

B. Cabeça

  1. Tamanho da cabeça equilibrado em relação ao resto do corpo.
  2. 2/3 da largura dos ombros.
  3. Em forma de cunha quando visto de cima ou de lado, redonda, quando visto de frente.
  4. Bochechas 25% mais largas do que o pescoço na base do crânio.
  5. O comprimento do nariz ao stop deve ser igual ao comprimento do stop para a parte de trás da cabeça.
  6. A ponta do focinho é bem desenvolvida. O preenchimento abaixo dos olhos deve ser maior do que a cabeça, na base das orelhas.
  7. A cabeça deve ser profunda a partir do topo da cabeça para o fundo da mandíbula.
  8. O focinho deve ser reto e quadrado, como uma caixa.
  9. Lábios apertados.
  10. Os dentes, incisivos na frente devem se reunir numa mordedura em tesoura. Os caninos devem ser largos na base e diminuir para o final, os caninos superiores se encaixam firmemente atrás dos caninos inferiores. Eles devem estar sólidos e saudáveis, sem faltar nenhum.
  11. Olhos, pequeno e profundo. Elíptico quando visto de frente, triangular quando visto de lado.
  12. Orelhas- não se deve dar preferência a serem cortadas ou não cortadas, exceto para reforçar a atratividade geral do cão.

Faltas: pescoço curto, bochechas proeminentes, focinho subdesenvolvido, lábios pendentes, caninos ausentes, prognatismo ou retrognatismo na medida em que os caninos não se encaixam bem juntos.

VII. Cauda e Pelagem 5 pontos

A. Pelagem

  1. Pele grossa e solta ao redor do pescoço e no peito, muito bem encaixada em outro lugar, mostrando as pregas verticais ao redor do pescoço e peito, mesmo em um animal bem exercido.
  2. Curto e forte, brilhoso mostrando saúde geral do animal.
  3. Cor ou qualquer combinação de cores, exceto para as cores ou padrões coloridos conhecidos por serem ligados geneticamente a problemas de saúde.

B. Cauda

  1. Grossa na base, afinando para a ponta. Seu comprimento deve se estender até a ponta do jarrete.
  2. Caída para baixo como uma manivela de bomba quando relaxada.

Faltas graves: cor em padrão merle ou albinismo. (Cão branco, olhos azuis ou cor de rosa, falta de pigmento).

Faltas: pelo longo, pelos com franjas na cauda ou em outro lugar, cauda cortada ou qualquer cauda distinta da reta.

Desqualificações: agressão a humanos, cão macho cujo o saco escrotal não nasceu, cães castrados.

Acima de tudo, o American Pit Bull Terrier deve aparecer para ser um atleta como um todo. Seu corpo expressa velocidade, potência, agilidade e resistência. Ele deve ser equilibrado em todas as direções. Uma coisa exagerada rouba-lhe outra. Em sua forma ideal, ele é uma coisa bela.

Qualquer uso não autorizado ou impróprio do padrão American Dog Breeders Association Inc. é estritamente proibido.

Direitos autorais©1976

American Dog Breeders Association Inc. (ADBA). Padrão do APBT. Aviso legal

Este padrão não é um identificador de raça. Ele só pode ser usado para julgar os padrões de qualidade do American Pit Bull Terrier, como adiante definidos. Sua finalidade é para uso de criadores e juízes sancionados da American Dog Breeders Association Inc. ao determinar a qualidade de cada animal sendo julgado em um show sancionado ou evento da American Dog Breeders Association Inc. e para a concessão de pontos individuais ADBSI com base em qualidade, como refletido pelo padrão de excelência da raça. Ele também pode ser usado para avaliar a qualidade do plantel por criadores de American Pit Bull Terriers registrados na ADBA, para a Seleção de reprodutores, e para avaliar a qualidade dos filhotes individuais de ninhadas de American Pit Bull terrier registrados.