estrutura, dinâmica e gameness 06/09/2020

 

F. R. Bennett writing Bloodline, 1940 (252-488) about Jack M. Williams, brings up two interesting topics to be discussed by all of us who love our Bulldogs.
The first is about the conformation, structure and beauty of the combatants. Some claim that the most beautiful ones only serve to roll around in beauty pageants, and the great Dog Men claims that if he has two dogs that he knows absolutely nothing about them in the well, he will definitely prefer the one with the best breeding, a good conformation, the most structured. Before anyone disregards this, remember that we are talking about a bloodline that since Con Feeley have been victorious and an example of Gameness. Amy Greenwood Burford talked a little about the ADBA Racial Standard, explaining that the “basis of the adba standard is the function”.
The second is about the lie repeated over and over, it becomes true. At that time history began to emerge that some defeated Com Feeley and their dogs, and Bennett begins to defend this bloodline by showing how competitive and winning they were, with no reports of defeats in history. Interesting that he always uses or standard structure to define these dogs, and talks about others showing aspects of fragility and lightness, and states that he likes Bulldog, dogs with structure. Great Dog Men of our breed, like Bob Hemphill who was one of the most influential men of the 30s and 40s, as a promoter, competitor and breeder, in his writings he affirms the importance of a good pedigree, the preservation of blood lines, technique crossings, including citing Bob Menefee as his reference for this.
It becomes a great responsibility to educate the new APBT lovers, due to several factors. Some think that releasing two dogs to bite them makes them a dog men, others because they do not agree with the fighting, they feel no right to define the “standard of beauty that they want”, and they change the structure and functionality of our breed. Undoubtedly, it is an arduous mission to educate new breeders. The preservation of the real combat goes through several aspects, from a good structure and food, to a selection and genetic improvement of a true Dog Men. Respect for the animal, its history and preservation of its main characteristic, Gameness.
It is more difficult to convince a person who has been involved in the breed for some years, that a combatant with a structure and breed type closer to the ADBA standard has an advantage over a dog that lacks some attributes. A badly bred dog will have a limited structure. Dogs that over the years lose their rusticity, also lose eliminated. Inbreeding is not a guarantee of genetic preservation, anyone involved in breeding knows what a lack of knowledge about breeding can do with a blood line. Shall we talk about it?

————————————————————–

F.

F. R. Bennett escrevendo a Bloodline, 1940 (252-488) sobre Jack M. Williams, traz dois temas interessantes de serem discutidos por todos nós que amamos os nossos Bulldogs.

A primeira é sobre a conformação, estrutura e a beleza dos combatentes. Alguns afirmam que os mais bonitos só servem para rebolar em concurso de beleza, e o grande Dog Men afirma que se tiver dois cães que ele não conhece absolutamente nada sobre eles dentro do poço, ele irá com toda certeza preferir o que tem melhor criação, uma boa conformação, o mais estruturado. Antes que alguém desconsidere isso, lembre-se que estamos falando de uma linha de sangue que desde Con Feeley são vitoriosos e exemplo de Gameness. A Amy Greenwood Burford falou um pouco sobre o Padrão Racial ADBA, explicando que a “Base do padrão adba é a função”.

A segunda é sobre a mentira repetida várias vezes, torna-se verdade. Nessa época começou a surgir história de que alguns teriam vencido o Com Feeley e seus cães, e o Bennett começa a defender essa linha de sangue mostrando o quanto eles foram competitivos e vencedores, sem nenhum relatos de derrotas na história. Interessante que ele sempre usa o padrão de estrutura para definir esses cães, e fala dos outros mostrando aspectos de fragilidade e leveza, e afirma que ele gosta de Bulldog, de cães com estrutura. Grandes Dog Men da nossa raça, como Bob Hemphill que era um dos homens mais influentes dos anos 30 e 40, como promotor, competidor e criador, em seus escritos ele afirma a importância de um bom pedigree, da preservação de linhas de sangue, técnica de cruzamentos, inclusive citando o Bob Menefee como sua referência para isso.

Torna-se uma grande responsabilidade educar os novos apaixonados pelo APBT, por vários fatores. Uns acham que soltar dois cães para se morderem os faz ser um dog men, outros por que não concordam com os combates, se acham no direito de definir o “padrão de beleza que bem entende”, e vão alterando a estrutura e funcionalidade da nossa raça. Sem dúvida é uma missão árdua educar os novos criadores. A preservação do verdadeiro combatente passa por vários aspectos, desde uma boa estrutura e alimentação, até uma seleção e aprimoramento genético de um verdadeiro Dog Men. O respeito com o animal, a sua história e preservação de sua principal característica, o Gameness.

Mais difícil é convencer uma pessoa que está envolvida na raça há alguns anos, que um combatente com uma estrutura e um tipo de raça mais próximo do padrão ADBA tem vantagem sobre um cão que carece de alguns atributos. Um cão mau criado, terá uma estrutura limitada. Cães que ao passar dos anos perdem rusticidade, também perdem competitividade. A consanguinidade não é garantia de preservação genética, quem se envolve com a criação sabe o que a falta de conhecimento sobre técnicas de cruzamento pode fazer com uma linha de sangue. Vamos conversar sobre isso?